Três Coisas para Ter em Mente

Atualizado: 7 de mar.


Eu não dou aula para estudantes. Dou aula para professores.


Digo isso não por que eu ensine só pessoas que queiram difundir a arte. Digo isso, porque com o passar do tempo, percebi que cada pessoa é professora, pelo menos dele própria. Tudo o que eu posso fazer como professor é facilitar, apresentar novas ideias e compartilhar minhas experiências. Cada pessoa na minha aula deve aprender a ser sua própria professora, para que ela possa facilitar o próprio trabalho de internalizar o que os mais avançados a sua volta têm pra compartilhar.





Sempre que estamos em grupo, tento aproveitar as oportunidades e conversar sobre como aprender. Com isso em mente, é importante lembrar de três coisas:


Não Existe Talento


Talento é uma ideia sedutora e destrutiva para quem pratica arte marcial (ou qualquer outra coisa na verdade, música, dança, escrita). A ideia de talento nos faz acreditar que devemos ser bons em algo logo de cara, ou simplesmente desistir.


Incontáveis estudos já mostraram que talento, i.e. as qualidades e características genéticas do indivíduo, tem pouca influência em habilidades complexas (como esgrima), e que dedicação contínua é o fator mais importante.


A ideia de talento leva a uma comparação injusta entre você e os colegas de aula, e pode acabar com qualquer motivação. Sempre que possível, digo às pessoas: "você deve se comparar com a versão de você da semana passada". Busque se superar. Busque melhorar a cada semana. Não se compare com os colegas.


Se você não está errando, não está praticando. Então Erre!


Tempo de prática não é o único fator que determina o sucesso a longo prazo em artes marciais. A qualidade da prática é essencial. Se você não está falhando nos seus treinos solo, treinos em dupla ou combate, você não está se desafiando o suficiente.


Busque sempre aumentar a dificuldade do seu treino. Esteja constantemente buscando o seu limite: até errar. Quando errar, trabalhe nessa zona. Trabalhe no limite da sua habilidade. Assim, você não estará trabalhando fora da sua zona de conforme, mas sim a expandindo.


Busque Desafios, Não Resultados


Evitar erros e consequentemente evitar desafios começa tanto na nossa crença de mundo (por exemplo, acreditar que talento é o que importa, e não a prática) quanto na nossa autoimagem.


A Dra. Carol Dweck, em um de seus estudos, mostrou que se pode impactar negativamente no QI de uma criança simplesmente ao elogiá-la por ser inteligente. Crianças que foram elogiadas por serem inteligentes, quando encontraram fracassos, fugiram para algo mais fácil e evitaram novos desafios. Elas não queriam desfazer as suas imagens de "inteligentes". Crianças que foram elogiadas pelo seus esforços e por suas vontades de encarar novos desafios, estavam mais dispostas a buscar maiores desafios e se superavam mais que os outros.


Veja como você encara a sua arte marcial e aplique o conhecimento desse estudo na sua própria prática. É preferível encarar grandes desafios e amadurecer, do que encarar pequenos desafios e obter sucesso.

75 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo